Como fazer café na Kalita Wave dripper

      Nenhum comentário em Como fazer café na Kalita Wave dripper

Acordar cedo e fazer calmamente seu café preferido no método escolhido, dos rituais da terceira onda do café um dos mais charmosos é o japonês Kalita Wave dripper que usa um filtro de papel ondulado com sua base chata, após a percolação calmamente a bebida é filtrada passando por três furos na base do suporte, são três ou quatro pulsos de água acrescentados calmamente sobre o pó já hidratado na pré-infusão.

 

O resultado é uma bebida limpa e suave, com um buquê que revela os principais atributos do café escolhido, se utilizado com a moagem correta e saturação de água na medida.

Durante um encontro de minicupping entre 12 cafés fizemos uma escolha e o café da mesa foi o grão usado nessa receita praticada pelo barista Dajo Aertssen @fazenda_dajo, lá na França ele utiliza 6% de café para a dosagem da receita, essa proporção dá um café leve e aromático.

Assista ao vídeo de preparo do café na Kalita por Dajo Artssen

Grão utilizado:
Café da Ethiópia – Kochere, variedade: heirloom mixed washed beans

Método:
Kalita Wave 155 papel natural.
Moagem: Média fina
Dosagem: 15g)
Água: 92ºC
Bloom: 30s @ aprox.18g
3 Pulsos de: aprox. 70g–80g
Duração: aprox. 3min @ aprox. 250g

Bulletproof coffee, um café a toda prova

      Nenhum comentário em Bulletproof coffee, um café a toda prova

O café do verão de 2017 chegou para ficar, o bulletproof coffee ou butter coffee bebida preferida da turma do treino crossfit, afinal se beber café já é bom imagina então quando essa bebida vem acrescida da possibilidade de auxiliar no emagrecimento?

Imagina você beber o café a prova de balas! e ter a sensação de saciedade aumentada, ter clareza mental e foco melhorados, e ainda aumentar a queima de gordura, melhorar sua energia corporal tornando maior a sua resistência e ainda de quebra manter um sabor diferenciado.

 

Como funciona?

O tecido adiposo que está em descanso precisa ser despertado, e ao ingerir a cafeína logo cedo despertará essas gordurinhas já que o café é termogênico e promovendo uma enzima conhecida por fosfodiesterase, porém ele sozinho não traz o emagrecimento. A gordura ativada servirá de energia para a atividade física, ou seja, graças ao café sua carcaça terá mais gordura disponível preparada para a queima.

O óleo de coco tem triglicérides de cadeia média que promovem a termogênese, aumentando o metabolismo e faz sentir menos fome, que consequentemente faz emagrecer após atividades físicas, já a manteiga com sua gordura saturada alimenta seu corpo.

E o café? Preciso lembrar que tem aroma bom, diversos minerais e óleos essenciais e ao beber um café você ativa partes do cérebro ligadas ao prazer, uma má experiência com a bebida não faz do café uma bebida ruim, se você quer usar isso como desculpa para não experimentar, aconselho a perder logo o preconceito, afinal, existem provas de pessoas que perderam mais de 70 quilos fazendo suas dietas acompanhadas por nutricionistas e médicos que aconselham adicionar o bulletproof coffee no dia a dia.

ps: ainda existem muitas dúvidas sobre todos os benefícios do óleo de côco e seus diversos usos, não nos responsabilizamos pelo excesso de consumo e inserção nas dietas ou costumes diários.

Receita:

Manteiga sem sal – 1 colher
Café especial – porção da bebida 200ml
Óleo de côco – 2 colheres

Misture bem ou até pode passar no processador para dar maior cremosidade a bebida, beba preferencialmente sem adição de açúcar, saiba outras dicas de como preparar um bom café.

Como fazer café expresso “espresso” em casa corretamente

Começamos escrevendo errado para corrigir agora, a maneira correta de escrever é ESPRESSO e não EXPRESSO, então, vamos colocar pressão a toda potência na máquina para extrair um café com acidez, doçura e amargor, todos estes itens precisam estar presente numa bela xícara de café espresso, assim que se escreve corretamente porque a origem é italiana e quer dizer que ele foi tirado sob pressão ou seja espremido e não porque foi tirado as pressas.

A principal característica de um bom café espresso é a força na xícara e sabemos que o brasileiro ainda está aprendendo a beber um bom café espresso, a crescente busca pela profissão do barista tem proporcionado excelentes experiências aos amantes de café, por isso estamos publicando esse artigo.

Se a intenção é fazer um café intenso e cremoso como é normal de um espresso, a máquina precisa dar uma pressão mínima de 9 bar, a água mineral ou filtrada não pode ultrapassar 95 graus celsius. Já o o grão de boa qualidade e recentemente torrado deve ser moído na hora para manter as melhores propriedades do café, o que sempre caracteriza um café bem feito, além de reforçar se o café é de boa qualidade, quanto mais fresco todo o processo, mais revelará as propriedades do café, não é a marca e a fama que conta.

Existem diversos sistemas sachês, cápsulas, mas o verdadeiro café espresso deve ser feito com café moído na hora e na granulometria apropriada para o grão adquirido e esse preparo deve ser feito baseado no conhecimento da máquina a ser adquirida e é possível fazer isso a cada lote de grãos adquiridos, é uma atividade deliciosa de ser feita.

 

O que procurar em uma máquina de café espresso?

A pressão correta deve iniciar em 9 BAR (pressão atmosférica ou força G) vai trazer as propriedades que buscamos em um bom café que são basicamente aroma, doçura, acidez e corpo. Também se torna indispensável um bico vaporizador para o preparo de bebidas com leite como cappuccinos e a temperatura correta está diretamente relacionada a pressão exercida pela caldeira.

 

Máquina de Café Espresso que você pode comprar 

Escolher a máquina de café espresso para comprar pode te causar muitas dúvidas, é importante saber primeiro se você já tem um nível de exigência que requer comprar uma máquina com preço baixo ou alto.

O processo pode ser facilmente comparado a aquisição de um carro, de tantas opções de desempenho e preços que existem no mercado.

Definindo o fator preço você pode partir para o próximo passo que é definir a marca e porte do equipamento no qual você vai colocar seu rico dinheirinho e paladar.

 

Marcas e preços populares

Equipamentos caseiros podem ser adquiridos com valores bem acessíveis a partir de R$499,00 e um alcance de R$1.000,00 em diversos marketplaces de eletrônicos, a mudança de preços entre equipamentos pode ser grande, gostaríamos de ter aqui a avaliação pessoal de cada equipamento, mas é financeiramente inviável, segue uns bons nomes; Delonghi é uma das precursoras quando falamos em máquina para uso caseiro tenho uma dessas em funcionamento há mais de 15 anos, a Oster surgiu mais recentemente no mercado brasileiro com diversos eletrônicos, Electrolux, Mondial, Fun Kitchen entre outras.

Quando fizemos esse artigo os preços mais baixos eram no Americanas.com, Extra.com e Walmart.com

 

Marcas de preços médios

Nessa linha podem classificar algumas marcas que quase podem ser usadas como profissionais por dois motivos básicos a pressão da caldeira e durabilidade dos materiais e preço que varia de R$2.000,00 a R$5.000,00 em média, e suporta uma extração mais padronizada, um destaque aqui vai para a Tramontina que tem dois equipamentos que tem sido uma escolha dos baristas de final de semana, para uso caseiro com excelente vaporização e moinho acoplado.

Das mais famosas temos a Saeco, Tramontina, Gaggia, La Pavoni, Solis, Bari, Jura, Ok Kafé. Sendo a última da Ok Kafé uma marca do Espírito Santo que tem sua estrutura OEM italiana e que tive experiência de usar numa cafeteria em um evento que durou 40 dias e ela suportou a pressão diária servindo aproximadamente 900 cafés nesses 40 dias, falta uma bomba de maior desempenho para manter a uniformidade na vaporização e suportar melhor a pressão ao extrair o café e o mesmo é possível dizer da Tramontina.

 

Marcas superiores

Estão listadas aqui as marcas profissionais mais desejadas pelos baristas pelo mundo, que tem também equipamentos para ser adquiridas versões ‘caseiras’ obviamente com preços dignos de cafés Kopi Lowaki ou Jacu Bird, são elas o sonho de consumo.

São equipamentos que ultrapassam facilmente a casa dos US$5.000,00 e em alguns casos devem ser encomendadas, na minha lista estão alguns sonhos de consumo de muitas cafeterias e baristas pelo Brasil e mundo, basta pesquisar pelo nome no instagram ou google que serão encontradas personalizações de diversas delas, a mais famosa é a La Marzocco considerada a Mercedes Benz das máquinas não só por sua beleza e desempenho mas pelo preço e também pela estabilidade, entre outras estão a Nuova Simonelli, Astoria, Dalla Corte, Elektra, Pasquini, La Cimbali, Rancilio, Victoria Arduino, entre outras. 

 

“Para manter o café mais quente ao ser filtrado, antes de despejar o café sobre a xícara, deixe-a com água quente por um minuto para que fique pré aquecida.”

 

Para fazer um café espresso corretamente alguns itens são essenciais:

  1. Café em grãos de uma boa origem e qualidade, os cafés especiais e gourmet são as melhores escolhas, prefira arábica 100% feito a partir de frutos cerejas (apenas grãos maduros) recentemente torrado.
  2. Água filtrada ou mineral, que vai garantir um sabor superior com pouca influência dos diversos minerais e principalmente o cloro.
  3. Máquina de café espresso caseira ou profissional de boa qualidade e com manutenção em dia e descalcificada, sempre que utilizar a máquina deve-se limpar o porta filtro.
  4. Medida certa de café moído para uma xícara (7 gramas), utilizando uma granulometria compatível com o grão escolhido para que a extração não leve mais que 30 segundos.

 

A busca da xícara perfeita é contínua e deve ser incansável para qualquer pessoa, a escolha do equipamento para fazer seu café posso comparar com a escolha de um carro, aquele que cabe no seu bolso, com a funcionalidade que você precisa e sabe usar.

11 maneiras de como fazer café em casa, parte 2

      Nenhum comentário em 11 maneiras de como fazer café em casa, parte 2

7. Chemex

Este método de filtrar o café é um charme a parte, a jarra mais parece um vaso de planta cada vez conquista mais fãs, utiliza filtro de papel grosso em uma dobradura que possibilita uma filtragem que oferece uma bebida muito limpa e leve, com bom corpo e doce, perfeita e sem nenhum resíduo.

O tempo deve ficar entre 3’30” a 4’ com a proporção de pó/água deve ser algo entre 7% ou seja 25g para 350g de água usando moagem média-grossa.

 

 

8. Café turco (Ibrik)

Uma das maneiras mais tradicionais de preparar um café, o café marroquino é usado em um ritual um tanto romântico, o café extremamente fino será usado numa espécie de “caféomancia”, onde é feita uma leitura mística no fundo da xícara onde fica depositado o café que não é coado em seu preparo.

A moagem do grão é média-fina, ao Ibrik adicione 200ml de água, 1 colher de pequena de açúcar, 2 colheres (chá) de café. O processo consiste em levar a Ibrik no fogo e quando estiver para ferver o recipiente deverá ser retirado do fogo, o processo deverá ser feito 3 vezes, deixe o recipiente descansar por 2 minutos e acrescente umas gotas de água fria para que o pó assente no fundo do recipiente.

 

9. Clever Coffee System

Parece Melitta mas não é, parece Hario v60 mas não é, o sistema Clever é um método de filtrar o café porém tem um tampão na base que pode ser aberto quando a bebida estiver pronta e pode ser derramada no recipiente de uma só vez. O resultado é uma bebida encorpada.

 

10. Toddy brew (cold brew)

O café gelado é uma infusão feita a frio e com muita calma leva de 10 a 21 horas em média (cada barista tem sua receita), o pó deve ser de granulometria grossa pode ser feito na Toddy brewer que é uma cafeteira japonesa criada exclusivamente para fazer esse tipo de infusão, mas pode ser feito em qualquer recipiente que possa ir a geladeira.

Por ser uma extração que extrai menos cafeína e deixa menos amargor pode ser considerado um extrato que pode ser acrescentado com água após seu preparo, uma receita básica é 33% para a porção de água a ser utilizada. 200g de grão moído para 600ml de água, deixe na geladeira por um período de 18 a 21 horas, a bebida é extremamente doce, com baixa acidez e praticamente sem amargor.

11. Sifão (globinho)

Fazer um bom café dá uma sensação de ser um alquimista e esse método faz a gente parecer um completo alquimista é um método muito bonito de se ver, nele é utilizado um sifão, composto por dois globos de vidro, sendo um com funil e filtro, uma base e a chama que faz a ebulição da água.

A água precisa ser colocada no globo inferior, para facilitar o processo a água pode ser previamente aquecida, a proporção segue o padrão de 10% de pó para 100ml de água, todo aroma é preservado nessa bebida pois há um vácuo que preserva a atmosfera enquanto a bebida é preparada.

Ao completar o processo de fervura quando a água sobe toda para o globo superior retira-se a chama e quando inicia o resfriamento da unidade inferior a bebida pronta desce, retira-se o globo superior e voi la! Sua bebida extremamente doce está pronta!

 

Conclusão

Podemos chamar de resumo dos mais populares métodos de preparo, conte-nos como foi sua experiência fazendo seu café seguindo essas receitas e se você tem um jeito diferente de fazer seu café envie pra gente.

11 maneiras de como fazer café em casa, parte 1

Estamos vivendo um momento na cultura do consumo de café que é chamado deA terceira onda do café” e ela diz respeito às diversas maneiras de fazer o café, o cuidado desde a origem, plantio, torra e preparo da bebida “perfeita” e para isso vamos listar nesse artigo a maior quantidade possível e as características de cada método de preparo destes cafés.

Para iniciar vamos comentar sobre o mais brasileiro dos métodos de preparar o elixir amado, o velho e bom café coado. Existem algumas orientações gerais para preparar um bom café da terceira onda, temos um artigo que fala sobre isso.

No artigo 5 dicas para preparar um bom café citamos detalhes que não podem faltar ao fazer um bom café, Água filtrada fervida e resfriada/oxigenada para alcançar de 92 a 96 graus celsius, pó de qualidade e moagem correta e recente, torra que mantenha preservados aromas, doçura, acidez e óleos ou características que mais te agradem num bom café e para o preparo do método, a pré-infusão faz uma grande diferença na bebida pronta pelo fato do café ser um hidrossolúvel.

 

1. Coador de pano da vovó

Feito em um filtro de pano é o mais tradicional e que lembra a casa da vovó, onde as primeiras e melhores experiências nos remete as lembranças da infância, uma mesa e às vezes com um bolo ou um pão caseiro, resgata a memória gustativa e talvez por isso temos a sensação de ser o melhor de todos.

Um velho coador de pano tem seu lugar na cozinha de quem ama cafés, com ele começa nossa valorização por esse elixir, mas pra ter aquele gostinho mais intenso o coador precisa ter um certo tempo de uso, quando está novo ele absorve muito dos óleos essenciais, sabores e açúcares do pó. Então quanto mais velho melhor? Sim, eu aconselho que ele seja trocado a cada três meses de uso.

As características percebidas nesse café é que ele fica mais amargo e sem os óleos característicos de uma bebida limpa, o aroma é maior que o sabor da bebida, talvez por isso tão amado e tão adoçado com adição de açúcar pelos brasileiros, a granulometria usada tem sido bem fina devido ao uso popular do café moído adquirido em supermercados o que ao fazer a extração da bebida realça sabores amargos devido a demora com que a água passa pelo café, as melhores bebidas prontas conseguimos com moagem de fina a média. Nesse café aconselhamos 8% na proporção pó/água.

 

2. Aeropress

Usando a lei da gravidade associada com a pressão a nosso favor, esse brinquedo, ops! Brinquedo não, nesse equipamento que tem se destacado pela qualidade do café que extrai, conseguimos obter quase todas as qualidades que obtemos num espresso.

Foi criado pela Aerobie, uma indústria americana que ficou famosa no início dos anos 80 pela invenção de brinquedos que desafiavam a física, bumerangues plásticos e afins, você lembra do frisbee? Então foi Alan Adler que tornou esse brinquedo um negócio milionário nos anos 80 e hoje é conhecido pela sua Aeropress, minha preferida máquina de café. Acompanhe nosso passo-a-passo deste método de preparo de café.

3. Cafeteira italiana (Moka)

Conhecida também como Moka ela foi criada na década de 30 por Bialetti, muito popular como método filtrado nas residências italianas tem tomado um espaço nas casas brasileiras, o resultado é um café intenso se usado com pó de café muito fino aponta para uma bebida forte e bem encorpada.

A água vai no compartimento inferior até a válvula de segurança, na parte do meio temos um filtro e nele depositamos o café que deve ser usado com moagem mais grossa sem pressionar, ao colocar no fogo despeje um pouco de água no recipiente superior para evitar que o primeiro café que passar queime no alumínio, observe com a tampa aberta para acompanhar o tempo de extração, eu gosto de colocar em fogo médio. Tire do fogo quando, pois ele vai continuar a extração devido a evaporação e coloque em uma xícara de preferencia pré-aquecida

 

4. Prensa francesa (french press)

Método mundialmente conhecido por nos oferecer uma bebida mais encorpada, devido ao seu filtro de aço que não retém óleos e aromas, devemos utilizar uma moagem levemente mais grossa, sua forma de extrair o café é mais longa e por infusão, onde a água aquecida a uma temperatura de até 96 graus célsius é derramada sobre o pó que deve ser colocado no recipiente, a proporção de pó/água deve ser algo entre 6% ou seja 36g para 600ml de água.

 

5. Coador Melitta

Quem nunca tomou caƒé feito com filtro Melitta? Desde 1908 já tinha gente cansada de tomar café ruim, a dona Melitta Bentz resolveu que tinha que mudar a forma de passar café, ela não gostava do coador de pano, vai ver que naquela época já faziam a piadinha de que o pano era feito de meia, a velhinha foi lá e furou uma caneca de alumínio colocou um papel de mata borrão que tinha uma fibra grossa e estava criado o filtro de papel, montou uma “lujinha” de 8m2 e iniciou seu próspero negócio de vender filtros descartáveis com um suporte de alumínio.

O preparo segue as dicas de escaldar o filtro para reduzir o aroma e gosto de papel, colocar a proporção de 1 pra 10 (75g de pó para 750g de água) fazer a pré infusão acrescentando água por 30 segundos sobre o pó para liberação dos óleos, aromas, doçura e acidez e na sequencia acrescentar suavemente a água controlando a velocidade para que não ultrapasse 3 minutos, quanto mais fino o pó utilizado maio o amargor percebido nesse método.

  

6. Hario v60

O design do interior em espiral culmina com um grande furo na parte inferior do suporte cônico deste método de filtragem fazendo com que a água flua mais constante e rapidamente ao passar pelo pó, oferecendo uma bebida limpa e doce e com acidez cítrica acentuada, existem dois filtros de papel comercializados para este suporte, um branqueado e outro natural que oferece uma bebida ainda mais saborosa, invenção da indústria japonesa Hario, para 300g de água aconselho usar 30g de café moído médio-fino, tempo médio de 3 minutos para filtragem. Conheça mais esse método clicando neste link.